Prevenção e conscientização da hepatite

23 de maio de 2024
0 Comments

Todos os meses do ano possuem uma cor específica e a finalidade é conscientizar as pessoas sobre a prevenção de determinadas doenças. Maio possui uma série de cores e campanhas, entre elas o “Maio Vermelho”, que leva ao público mais conhecimento e atenção sobre a hepatite.

Maio é um mês de muitas cores, com campanhas sobre doenças inflamatórias intestinais (roxo), combate ao abuso e à exploração sexual infantil (laranja), campanha pela paz no trânsito (amarelo) e a doença celíaca, uma condição autoimune desencadeada pela ingestão de glúten (verde).

No entanto, em razão do risco trazido pelas enchentes na região Sul e alta probabilidade de contato com águas e alimentos contaminados com os vírus da hepatite, nosso foco é o Maio Vermelho, que ressalta a importância da luta contra a hepatite, uma inflamação do fígado que pode ser causada por diversos fatores, incluindo infecções virais, uso excessivo de álcool e drogas, entre outros.

A hepatite infecciosa é uma inflamação do fígado que pode ser causada por cinco principais tipos de vírus, chamados de tipos A, B, C, D e E (sendo as do tipo A, B e C as mais frequentes).

As hepatites A e E normalmente são causadas pela ingestão de alimentos ou água contaminadas, uma situação de risco bastante elevado pelos recentes acontecimentos climáticos por todo o Rio Grande do Sul.

Já as hepatites B, C e D geralmente são transmitidas pelo contato com fluídos corporais de pessoas infectadas (transfusão de sangue, procedimentos médicos invasivos usando equipamentos contaminados, da mãe para bebê no nascimento – no caso da hepatite B – e também por contato sexual). Os tipos B e C levam a doenças crônicas centenas de milhões de pessoas e, juntos, são a causa mais comum de cirrose hepática e câncer.

Como saber se houve contaminação pelos vírus da hepatite? Somente um médico pode realizar um diagnóstico preciso e mediante exames laboratoriais.

Essa dificuldade no diagnóstico é em razão de que nem sempre a infecção do fígado apresenta sintomas. No entanto, quando aparecem são bem fáceis de serem identificados e em geral aparece mais de um sintoma simultaneamente.

Os sinais mais perceptíveis são: a icterícia (amarelecimento da pele e dos olhos), urina escura, fadiga extrema, náusea, vômito e dor abdominal.

A campanha Maio Vermelho incentiva ao diagnóstico e o tratamento precoces, ações que podem evitar a evolução da doença para cirrose ou câncer de fígado.

Por isso, é importante consultar seu médico de confiança ao surgir qualquer dos sintomas e, em caso de suspeita é possível realizar um teste rápido, que fornece o resultado na hora, ou, se solicitado pelo médico, exames laboratoriais.

No Brasil, os testes rápidos para hepatites tipo B e C estão disponíveis nos serviços públicos de saúde para todas as pessoas.

Em pessoas com mais de 40 anos é importante fazer o teste de hepatite C, pois existe o risco de haver tido contato com o vírus durante a juventude e isso pode gerar uma inflamação no fígado após todos esses anos.

Como forma de prevenção ainda, o exame de hepatite B faz parte do rol de exames do pré-natal. Em caso de ser constatado a presença do vírus do tipo B, a gestante deve ser diagnosticada e tratada ainda durante a gravidez.

A boa notícia é que, se diagnosticado de forma precoce, a hepatite A, embora seja uma doença aguda, é de fácil tratamento, com dieta e repouso. Em geral, a pessoa melhora em algumas semanas e adquire imunidade, eliminado o risco de nova infecção.

No caso de hepatites tipo B e D o tratamento é um pouco mais severo, mas pode ser controlado, evitando a evolução para cirrose e câncer, situações que exigiram medidas mais sérias e até internação e procedimentos mais invasivos – cirurgias e transplante, em alguns casos.

Na hepatite do tipo C a cura acontece em mais de 90% dos casos com diagnóstico precoce e quando o tratamento é seguido corretamente.

Independentemente do tipo do vírus, todas as hepatites devem ser acompanhadas pelos profissionais de saúde, pois as infecções podem se agravar.

Outra forma de reduzir o risco de infecção viral, está mais fácil e ao alcance de todas as pessoas, é a vacinação.

A vacina é uma forma de prevenção contra as hepatites do tipo A e B e quem toma a vacina para o tipo B também está protegido para a hepatite D.

Para os demais tipos de vírus (hepatites C e E) não há vacina e o tratamento é indicado pelo médico.

A vacina Hepatite A e B é indicada para crianças a partir dos 12 meses, adolescentes e adultos e está disponível nos postos de saúde de todo o país de forma integralmente gratuita.

Para crianças de 1 ano até 15 anos são recomendadas duas doses com intervalo de 6 meses entre elas.

Já adolescentes a partir de 16 anos e adultos a recomendação é de três doses. Com a segunda dose administrada após 30 dias da primeira e a terceira, após 6 meses decorridos do recebimento da primeira dose.

Agora que você já sabe os riscos, sintomas e formas de se prevenir, que tal colocar esses conhecimentos em prática. A Campanha é Maio Vermelho, mas você pode e deve zelar pela sua saúde o ano inteiro. E se precisar de ajuda, conte conosco. Conte com a Danamed.