Como estão seus exames de rotina?

14 de setembro de 2021

Quando o assunto é saúde devemos buscar ao máximo prevenir doenças. Praticar exercícios e manter uma alimentação equilibrada são alguns dos hábitos importantes para isso, além dos exames de rotina. No entanto, com as restrições da pandemia, muitas pessoas deixaram estes exames para depois. 

Nunca é demais ressaltar sobre a importância cada vez maior de se investir em prevenção e mudança de hábitos, com uma atenção voltada ao resultado na saúde e qualidade de vida.

Nosso foco está na prevenção e no acompanhamento da saúde, sempre com um atendimento humanizado e permanente, feito por pessoas que se preocupam com pessoas: nossa gente cuidando da nossa gente.

Esse acompanhamento é essencial para garantir que todos os outros esforços de prevenção sejam efetivos. Além disso, muitas doenças não têm sintomas perceptíveis nas fases iniciais, mas podem ser diagnosticadas por meio de exames. Com esse diagnóstico precoce, pode ser muito mais fácil de tratar e evitar complicações.

Como os exames de rotina previnem doenças?

É muito comum só pensar em visitar o médico se sentir mal. Nessas ocasiões, as pessoas vão ao pronto-socorro apenas com um objetivo em mente: tratar aquele sintoma ou doença que surgiu. No entanto, o acompanhamento com um médico é o melhor meio de garantir a sua saúde a longo prazo.

Muitas doenças graves só são percebidas pelos pacientes quando chegam em fases mais avançadas. A diabetes, por exemplo, pode comprometer diversos órgãos do corpo. Porém, muito antes que isso ocorra, já pode ser detectado um aumento dos níveis de glicemia no sangue. Esse sinal de alerta pode ser percebido nos exames de rotina.

Com o passar dos anos, esse acompanhamento se torna cada vez mais importante. Para adultos jovens, recomenda-se fazer um check-up pelo menos a cada 2 anos. Já para idosos e crianças, a frequência pode variar entre 6 a 12 meses. Especialmente por causa da tendência maior a desenvolver doenças. Esse acompanhamento mais intensivo também é feito com quem tem um histórico familiar de doenças hereditárias ou já sofre com alguma condição crônica.

Tudo isso é levado em conta pelo médico na hora de prescrever os exames de rotina. A seguir, vamos explicar alguns dos procedimentos mais comuns.

O que geralmente compõe um exame de rotina?

Uma parte dos exames de rotina é feita pelo próprio médico no momento da consulta. É o caso da medição da pressão arterial e o uso do estetoscópio para ouvir os batimentos cardíacos. Também pode-se examinar partes do corpo, como a área interna do ouvido, as narinas e a garganta.

Além desses exames de rotina, há diversos outros procedimentos que são feitos por ginecologistas e urologistas. Esses profissionais devem acompanhar homens e mulheres durante toda a sua vida adulta para prevenir doenças que afetam os órgãos reprodutores, especialmente o câncer de mama e de ovário nas mulheres e o câncer de próstata em homens.

O que é popularmente definido como “exame de sangue”, na verdade, é uma bateria de testes. Por isso, podem ser coletados diversos frascos com amostras do líquido. Seu médico saberá quais exames solicitar após as avaliações clínicas feitas na consulta. A seguir, explicamos a finalidade de alguns dos exames mais comuns que devem ser feitos em laboratório.

Exames Laboratoriais

Alguns exames devem ser feitos em laboratório e auxiliam no diagnóstico sobre a real condição física, além de orientar sobre outras orientações do médico para manutenção ou correção de suas condições de saúde. Os exames mais comuns são:

Hemograma: avalia a quantidade de três tipos de células que compõem o sangue (leucócitos, hemácias e plaquetas). Os resultados podem indicar se há infecções, baixa imunidade ou problemas de cicatrização no corpo.

Índice glicêmico: mede o nível de glicose (uma das substâncias que compõe o açúcar) no sangue. Geralmente feito em jejum, ele é usado para diagnosticar diabetes.

Colesterol: indica os níveis de HDL (conhecido como “colesterol bom”), LDL e VDL (chamados popularmente de “colesterol ruim”). Os níveis dessas três substâncias podem ser sinais de problemas circulatórios ou de uma alimentação desequilibrada.

Triglicerídeos: indica os níveis de gordura no sangue. Assim como os exames de colesterol, ele é usado para identificar se há problemas circulatórios e se a alimentação está equilibrada.

TSH e T4: esses exames medem os níveis dos hormônios no corpo. Caso haja um desequilíbrio, o paciente pode ter problemas na tireoide.

Sorologia de infecções sexualmente transmissíveis: HIV, hepatite e sífilis podem ser diagnosticadas por meio de amostras de sangue. Todo adulto sexualmente ativo deve incluir esses testes em sua rotina.

Ácido úrico, ureia e creatinina: esses três exames identificam se as substâncias que o corpo normalmente expele na urina estão presentes no sangue. Caso haja níveis altos, é um sinal de problemas nos rins.

Urina e fezes: apontam quais são as substâncias expelidas pelo corpo. Podem ser usados tanto para diagnosticar algumas doenças quanto para identificar infecções e problemas nos órgãos do sistema digestivo.

Agora que você já sabe qual é a importância de fazer os exames de rotina, que tal conferir se seus exames estão em ordem? Converse com seu médico ou conosco, o profissional lhe ajuda a melhor definir que exames devem ser feitos.

Fale agora conosco!